O Oficial Auxiliar – 15 de Março de 2018.

Sem título-1

 

3A Administração Naval, até a década de 30 do século XX, na sua trajetória modernista, viu-se na 1-5premência de desenvolver também o fator humano, ou seja, dotar a Marinha de maior número de pessoal qualificado para fazer face ao dualismo homem x máquina. A criação dos Tenentes Comissionados (Ato Ministerial n° 3.554-A, de 05 Set 1924Comissionamento de 1 Sargento-Ajudante e 12 Primeiros-Sargentos ao posto de Segundo-Tenente) pelo Corpo de Fuzileiros Navais (CFN), os quais, tiveram presença efetiva na Revolução de 30 e, posteriormente, com o ambiente em polvorosa pela ameaça de uma nova guerra mundial, surgiu a ideia de aproveitar o pessoal subalterno à condição de oficiais, angariando,  assim, bons militares que ganhariam em muito pela nova posição adotada pela Marinha. Assim, em continuação ao objetivo traçado, o então Ministro da Marinha – Vice-Almirante HENRIQUE ARISTIDES GUILHEM – propôs ao Presidente da República –  GETÚLIO DORNELES VARGASa criação dos Quadros de Oficiais Auxiliares do Corpo de Fuzileiros Navais (QOA-CFN) e de Oficiais Auxiliares da Marinha (QOAM), sancionada pelos Decretos Leis nº 329 e 335, de 15 de Março de 1938, respectivamente.

Moeda dos 80 anos

Moeda dos 80 anos

O ingresso aos Quadros de Oficiais Auxiliares seria efetuado por intermédio de concurso, e o Curso de Formação de Oficiais, antes denominado de Estágio de Adaptação ao Oficialato, seria realizado nos órgãos de ensino respectivos (Armada\Fuzileiros). Nesse contexto, destaca-se a figura do Primeiro Oficial Auxiliar da Marinha, o CF (A-FN-Refº) Adauto de Oliveira Mello. Em 1974, pela Lei nº 6.158, de 05 Dez, os Quadros recebem o nome de Quadros de Oficiais Auxiliares da Marinha (QOAM), compostos do Quadro de Oficiais Auxiliares do Corpo de Fuzileiros Navais (QOA-CFN) e Quadro de Oficiais Auxiliares da Armada (QOAA), hoje, Quadro Auxiliar da Armada (QAA) e Quadro Auxiliar de Fuzileiros Navais (QAFN). A partir de 1979, o Curso foi unificado, tendo ambos os Quadros constituídos uma mesma turma anual, passando a ser ministrado na Escola de Formação de Oficiais da Reserva da Marinha (EFORM).

Em 1986, o Ministro da Marinha – Almirante-de-Esquadra HENRIQUE SABÓIA - assinou a Portaria nº 1037, de 19 Nov 86, instituindo o “Dia dos Oficiais Auxiliares da Marinha” e consagrou, em vida,  o Vice-Almirante João do Prado Maia,  o primeiro Marinheiro a atingir o Posto de Almirante, como Patrono dos Quadros dos Oficiais Auxiliares.

No início, Posto máximo na carreira, que inicialmente era de Capitão-Tenente, chegou  em 1985, alcançou o posto de Capitão de Mar e Guerra. No entanto, no ano de 1997, a carreira do Oficial Auxiliar voltou a encerrar-se no Posto de Capitão-Tenente, ocorrendo o acesso aos Postos Superiores somente com a transferência para o Quadro Técnico. Por fim, em 18 de Dezembro de 2017, a Lei No 13.541, assinada pelo Presidente da República – Michel Temer, que “dispõe sobe a reestruturação dos Corpos e Quadros de Oficiais e Praças da Marinha”, devolveu ao Oficial Auxiliar a possibilidade de galgar o Posto de Capitão de Mar e Guerra.27971970_1750099935052559_1661379748109855087_n

 

Em 1998, com o advento das primeiras Oficiais Auxiliares (Armada), o Quadro aumentou, ainda mais, em competência na execução das tarefas administrativas no âmbito naval. No ano de 2015, com a presença das precursoras Auxiliares Fuzileiros Navais (AFN), no Curso de Formação do Centro de Instrução Almirante Wandenkolk, possibilitou a presença da mulher, também, nas áreas combatentes da Força.

O ano de 1985 foi muito importante para o Oficial Auxiliar!! Oficiais que se destacavam nos seus  Quadros (Armada\Fuzileiros), uniram-se em torno da ideia de criar uma associação que agremiasse esses Oficiais e suas famílias. Surgia assim, a Associação das Turmas de Oficiais Almirante João do Prado Maia. Atualmente, a Instituição tem a denominação de Associação Almirante Prado Maia – APRAMA. Com 32 anos de existência, na realização de eventos sociais, que permite à jovens oficiais auxiliares desfrutarem da agradável presença de outros mais experientes e, com isso, propiciam conselhos de suma importância para a labuta diária e novos desafios.

O distintivo do QOAA, que distingue, inspira e orgulha aquele que o porta, é formado por: uma âncora, considerada símbolo de firmeza, força, tranquilidade, esperança e fidelidade, representando a parte estável do nosso ser que, em meio às tempestades, é capaz de manter a estabilidade dos barcos; e por um losango, símbolo da sabedoria, que ao inserirmos no centro da Rosa das Virtudes, símbolo de retidão na Marinha, terá suas quatro pontas direcionadas  para os seguintes atributos: honra, fidelidade, abnegação e espírito de sacrifício.

7

Honra, Fidelidade, Abnegação e Espírito de Sacrifício.

Por derradeiro, cabe salientar as diversas atividades que os Oficiais Auxiliares e do Quadro Técnico (oriundos do Quadro Auxiliar) em Direções nas Agências e Delegacias de nossa Marinha, Assistentes, Ajudantes de Ordens, Relações Públicas, Encarregados de Divisão em importantes Centros de Tecnologia e demais tarefas de cunho administrativo e combatente,  executam com honestidade e propósito, mantendo sempre acessa a chama do “Fogo Sagrado”.

Audaces fortuna juvat. “A sorte protege os audazes”.

Audaces fortuna juvat. “A sorte protege os audazes”.

Pesquisador e Autor: 1ºTen (AA) Arnaldo Amirato Dias. (Pesquisa e Texto).
Colaboradores: CC (AFN-Rm1) José Cardozo de Oliveira (Pesquisa); e
1ºTen (AA) Márcio Luiz Neto (Designer e Criação da Moeda referente aos 80 anos do QOAM).

Acesse o link: http://tvwin.com.br/noticias/80-anos-do-quadro-auxiliar-da-marinha/

tv

Comentários

comentários

Categoria

Notícias

Deixe uma resposta