Enquanto Niterói, a antiga Capital Fluminense, comemorava os seus 440 anos, Vitória Bonaiutti de Martino teve os seus  89 comemorados por sua fiel legião de fãs (e eu no meio) no mesmo dia de 22 novembro. Sei que você, que não é nada ou não muito ligada(o) no mundo artístico, no caso,o radiofônico, deve estar se perguntando: que Vitória é essa? Satisfaço sua curiosidade NAICANDO. Trata-se de Marlene, que em 1949 foi eleita Rainha do Rádio, desbancando sua, dizem até hoje, rival (na verdade pseudo rival), Emilinha Borba, que ostentou a mesma coroa e título quatro anos após,ou seja, em 1953. NAIQUEI pseudo rival porque na realidade existia rivalidade entre a maioria das fãs de ambas. Na verdade, Emilinha foi até madrinha de casamento de Marlene com o humorista Luis Delfino.

         Brejeira e agitadérrima no palco ou fora dele, Marlene era assim apresentada por César de Alencar, o Rei dos Auditórios: com vocês “ ela que canta e samba diferente,” Marrrrrrrrrrlene!

Sempre associei a imagem de Marlene à da minha amada Nini Furtado Pereira, uma conterrânea de Rio Pomba – MG, a qual dei o título de “Cidade Sedução”, inclusive pelos traços faciais, porte elegante e os predicados citados acima: brejeira e agitadérrima.

NAICANDO em Nini, como a danada dançava bem.

Era de deixar qualquer um babando vendo-a  rodopiar nos salões. Nesta NAICADINHA está embutido um beijo muito carinhoso para ela e sua irmã, coincidentemente Marlene, e para o Beijo (Gaudereto, o seu esposo) um forte abraço.

Texto escrito por: Naico

Comentários

comentários

Deixe uma resposta