Fiel Companheiro

assfasfdsfad

 

Tanto ele, como aqueles que viveram próximos dele, declaram que desde pequeno ele gostava de jogar bola. Seus amigos do bairro também gostavam, mas somente um companheiro o seguia até o último momento. Esse era Bombom, o cachorro da família.

A dura estadia em Paris

 A dura estadia em Paris

O sonho de muitas pessoas é poder viver em Paris, uma das cidades mais lindas do mundo. Entretanto, para Dinho foi toda uma tortura. Ele sentia muita saudade de tomar chimarrão, que enquanto esteve na França (de 2001 a 2003) era muito difícil de encontrar.

Viciado em videogame

 Viciado em videogame
 O meio-campo confessou ser viciado em videogame e que passa horas jogando jogos de futebol. Isso sim demonstra seu fanatismo pelo esporte que pratica. Não somente treina, mas também joga nos fins de semana e o escolhe para ocupar seu tempo livre.

Motivo de zoação

 Motivo de zoação
 Os jogadores costumam ter vivido realidades muito diferentes quando crianças e alguns podem ser muito cruéis. Costumavam zoar Ronaldinho por seu sorriso, que continua sendo muito peculiar. Quanto a isso, ele diz: “Sou um feio simpático que com o tempo acaba sendo bonito.”

Causou um terremoto?

 Causou um terremoto?
Um fato no mínimo peculiar foi o que aconteceu dia 3 de setembro de 2003. Nesse momento, Ronaldinho estava disputando um jogo com o Barcelona contra o Sevilha. Aquela partida que começou estranhamente à meia-noite registrou um terremoto no mesmo momento em que Ronaldinho marcou seu gol, acredite ou não.

Quando ficou conhecido no mundo

Quando ficou conhecido no mundo

 Na Copa América de 1999, Ronaldinho ultrapassou as barreiras do Brasil e da América do Sul e se converteu em algo mundial. Sandro Rosell, diretor da Nike na América do Sul, ofereceu a ele um contrato de 2 mil dólares anuais pelo seu direito de imagem.

Um conflito milionário

Um conflito milionário

 A apresentação de Ronaldinho para o Atlético Mineiro no ano de 2012 não só significou sua estadia no futebol brasileiro, como também gerou a quebra de um de seus maiores contratos. A Coca-Cola era sua patrocinadora até que o viu tomando Pepsi em plena coletiva de imprensa. O erro lhe custou os 600 mil euros anuais que recebia por contrato. Aí não pode ser, né Ronaldinho?!

 

 

Comentários

comentários

Categoria

Notícias

Deixe uma resposta