O ingressante do curso de medicina, curso muito sonhado e almejado por grande parte dos jovens vestibulandos, sofreu um trote violento durante uma festa de boas vindas aos calouros, ocorrida na ultima terça-feira (18/03). O caso foi parar na polícia com o registro do boletim de ocorrência feito pelo próprio. O mesmo afirmou que foi obrigado a carregar garrafas de cerveja na cabeça, que veteranos urinaram na sua cabeça e que foi ameaçado de morte por outros alunos após afirmar que iria à polícia para registrar os fatos. Por tudo isso, desistiu de frequentar o curso.

A diretoria da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) se reuniu nessa última segunda-feira (24/3) para discutir o caso. Segundo informações do boletim de ocorrência, além de ter sido obrigado a ficar de joelhos e carregar 10 garrafas de cerveja, que foram jogadas em sua cabeça por outros alunos, o estudante ainda teria sido agredido com tapas e chutes, além de receber agressões de pessoas que batiam com garrafas de cerveja em sua orelha.

A FAMERP informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que os alunos que participaram do trote ainda não foram identificados, mas que a direção está na busca pelos agressores e vai puni-los. A entidade ainda afirmou que repudia esse tipo de trote, proibido pelo estatuto interno da faculdade. A Polícia Civil também vai investigar o caso.

É importante ressaltar que este tipo de violência não é de agora. Há anos vários alunos vem sofrendo consequências graves de agressões sem fundamento no ingresso da faculdade. O curso de medicina é mais um, dentre tantos que está envolvido nesse caso. Isso, infelizmente, não ocorre só em uma cidade, mas em vários locais do Brasil. Até que ponto as faculdades irão permitir tal agressividade? Pergunto-me como a faculdade ainda não localizou os alunos responsáveis pelo ocorrido, sendo que a ficha de cada aluno se encontra na faculdade. Fora o fato de que não é necessária investigação no caso, o fato está aí comprovado pela polícia e pela vitima, mais o quê será averiguado?

As consequências físicas e psicológicas para o estudante são cruciais para seu desenvolvimento acadêmico e psíquico. O que poucos sabem é que um trauma gera vários outros traumas, potencializando a fragilidade psíquica mental de cada pessoa.

O ingresso em um novo ciclo como a graduação, deveria ser comemorado com felicidade e alegria por todos os membros da instituição, porém o que imperou, nesse caso, foi a falta de respeito, educação e humanidade dos veteranos.

Voltamos ao tempo das civilizações bárbaras pelo fato de muitos não saberem viver em sociedade, nem tão pouco terem a consciência da democracia, para poder assim vivenciar a cidadania de fato. Penso que os povos bárbaros agiam com violência por causa da defesa pessoal, além de terem que se impor nos campos de batalha. Será que vivemos em um campo de batalha ou voltamos para a barbárie em sociedade?

Texto escrito por: Natalia Machado

Comentários

comentários

Deixe uma resposta